Detalhes, por Luana Ferreira

Disseram os cientistas que a paixão dura umas 4 semanas.
Refleti sobre tal informação.
Paguei para ver.
Qual o preço, qual a extensão de uma paixão.

Tanto tempo já se foi.
Pego-me aqui, ainda matutando sobre a afirmação dos cientistas.
Meu riso banguela é o retrato da extensão da paixão.
Ao meu lado, balançando na rede eis meu velho.
Já se foram 50 anos, tantas inseguranças foram superadas,
As famílias aceitaram que a paixão não acabaria não.
Compramos nosso cantinho no meio do mato, aqui construímos nossa casinha de sapê, aconchegante.
Lembra-nos sempre de nossa infância, de nossas raízes.
No jardim da frente plantamos os girassóis e no quintal o galinheiro vive sempre em polvorosa.
“Devíamos ter comprado patos e não essas galinhas barulhentas minha lua”.
Eu só ria, e as galinhas continuavam lá. Afinal não foi ele quem disse:”quem toma as decisões é você patroa!”
As galinhas ficam então! (Risos)
No quintal nosso cachorro Buk corria feliz.(eu queria chamar de piaba. Tal qual os cães da minha infância. Ele não aceitou).
Alguns anos depois vieram as crianças, hoje já tão crescidas.
Oh! tempo. Porque corres tão ligeiro?
Na lida por cuidar da vida, nunca vi a paixão morrer, ela vivia e se renovava a cada detalhe:
-Minha velha? Essa camisa está boa?
-Meu velho, até sem camisa está ótimo. (Risos quase banguelos).
Todo fim de tarde, é de lei o nosso café.
Ainda hoje ele recita poesias, e eu o amo a cada dia.
Já não temo pelo amanhã, trago comigo a certeza de uma vida bem vivida.
Os planos realizados, os filhos criados, os netos sempre vem ao fim de semana e nas férias.
E voltamos a ser crianças.
No banho de riacho, nas histórias á luz da lua.
Ah! Essa foi a vida que eu quis.
Pude viver.
Meu velho já acorda, é hora de nos recolher.
Mas uma vez me aconchego nesses braços tais que quantas vezes me impediram de cair e vieram a me erguer.
Dos meus cabelos negros só lembranças, mas ainda hoje meu velho desmancha minhas tranças e diz que sempre me achou linda, com a cabeleira em desalinho.
Posso partir feliz!
Bendito o dia, em que na penumbra do espetáculo o expectador perguntou á atriz:
-gostas do perigo?
É meus caros cientistas, vocês estavam redondamente enganados.
A paixão vive e viverá enquanto houver detalhes.

Luana Ferreira, 2017.

 

Fonte da imagem: web

 

4 thoughts to “Detalhes, por Luana Ferreira”

  1. Eu quero aqui expressar toda minha felicidade em ler essas linhas de felicidade e paixão.
    Lua sempre gostei de ler seus poemas e poesias, admiro seu trabalho e quero continuar lendo sempre que puder. Você foi mais longe que eu. Desejo toda felicidade do mundo minha amora.

  2. “O tempo, o mausoléu dos sonhos, presente, passado e futuro”, espero poder lhe acompanhar enquanto o tempo não me levar, ver o quão longe vai chegar, pois uma certeza me é certa, você não vai parar enquanto o tempo não acabar.

Comentários fechados.