Poesia de Morgana Sales: É porque amo

É porque amo

E se eu sangro por entre tuas mãos é porque eu amo
Se eu me faço líquida e volátil é porque eu quero
Eu sinto essa pedra de gelo se partindo
Se explodindo
Em milhões de pequenas partes que jamais serão achadas
Eu sinto essa dor que outrora em nossos corações habitou
Se esvair por entre meus seios e teus olhos
As mãos que seguram minh’alma,
Acariciam
Arrepiam
Estrangulam e sufocam meu temor.

Se meu corpo pede alma, é porque tua alma me pede corpo
Se minha alma te pede corpo, é porque teu corpo pede alma
Alada, voa, junto à tua, eu sou tua
Por entre vales verdes e florestas roxas
Sou tua moça.

Meu deus nórdico, meu querubim
O que tu emanas, nem tu mesmo sabes
É voz divina, é azul centelha
É vermelha chama que em meu corpo queima.

E se a mim te jogas em prantos
Entre meus cantos e canções tu dormes
Muito embora outras moradas fossem
Teu destino quase me apartar.

De te amar não me cansei jamais
E eu cansaria de tantos amores?
Eu cantaria todos os louvores
Que o teu espírito, a mim, retornasse.

Então vê, porque hoje canto
Tanto quanto eu venha a te sentir
Teu sorriso me desmonta a alma
E a refaz inteira, teu amor.


Morgana Sales