Ressoa, Poesia! Por Joyce Cleide

Sou talvez um poema de Sete faces
E tenho fases como a lua de Cecília
Aliás, sou poema, tenho faces (mil)
Sou de fases, mas não sou de anil
Meu tom é lilás, prefiro assim
Por vezes, pedra no caminho de alguém
Estrofe de um soneto, ou de uma música o fim
Eu não sei, sou dilema, ternura
Um bilhete, um pássaro
Um poema, loucura
Antes encontro do que sorte
Sim, prefiro conter meus versos em mim
Lanço palavras aos ouvidos alheios
Grito de cima dos telhados
Enfim, a pedidos nem sempre obedeço
Sou uma louca, insana menina
Mente torta, menti(rosa)
Qual é o problema? Sou a própria poesia…

Joyce Cleide

 

 

 

One thought to “Ressoa, Poesia! Por Joyce Cleide”

  1. Essa poetisa é uma maravilhosa revelação aos parnaibanos. Que seu talento e sensibilidade se espalhe mundo afora.

Comentários fechados.